CICLO DE HOMENAGENS: CIDADE DOS HOMENS - ARTUR SANTOS SILVA 11/10

16 OUTUBRO 2017 |18H00
ARTUR SANTOS SILVA
ORADORES
RUI VILAR

Nasceu em 1939, no Porto. Terminou a sua licenciatura em Direito pela Universidade de Coimbra em 1961.
Administrador da Fundação Calouste Gulbenkian desde 1996, exerce, também desde esse ano, o cargo de presidente do Conselho de Auditoria do Banco de Portugal. Presidiu à Comissão de Fiscalização do Teatro Nacional de São Carlos e foi Comissário-Geral para a Europália. Foi Vice-Presidente da Fundação de Serralves e administrador da Porto 2001.
Rui Vilar foi distinguido, entre outras condecorações, com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo e com a Grã-Cruz da Ordem do Infante.
MANUEL SOBRINHO SIMÕES
Nasceu em 1497, no Porto. Licenciou-se em Medicina pela Universidade do Porto onde se doutorou em Patologia em 1979.
É Professor Catedrático de Anatomia Patológica na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e Chefe de Serviço no Hospital de São João desde 1988. Actualmente é o director do IPATIMUP.
Recebeu ao longo da sua carreira diversos prémios nacionais e internacionais. Destaca-se o Prémio Bordalo de 1996, atribuído ao seu Grupo de Investigação, o Prémio Seiva em 2002 e o Prémio Pessoa em 2002. Em 2004 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem do Infante.

ARTUR SANTOS SILVA

Artur Santos Silva (Porto, 22.05.1941) é licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra onde, durante 4 anos, foi assistente das cadeiras Finanças Públicas e Economia Política, sendo depois chamado a ocupar cargos relevantes na vida do País. Assim foi Director-Geral do BPA, cargo que abandonou por ter sido chamado pelo Almirante Pinheiro de Azevedo a integrar o VI Governo Provisório como Secretário de Estado do Tesouro. Foi Vice-Governador do Banco de Portugal e voltou a leccionar nas Universidades de Coimbra e Católica do Porto. É um dos fundadores da Sociedade Portuguesa de Investimentos de onde sairia o actual BPI onde durante duas décadas presidiu a Comissão Executiva e o Conselho de Administração. Vogal do conselho de Administração da Fundação Calouste Gulbenkian, viria a suceder Rui Vilar na Presidência entre 2012 e 2017. Sempre atento aos interesses do Porto, foi membro do Conselho de Administração da Fundação de Serralves e Presidente do Conselho Administrativo do Porto – Capital Europeia da Cultura 2001. o seu nome anda ligado ao Lugar do Desenho – Fundação Júlio Resende e ao Conselho de Fundadores da Casa da Música.
É doutor honoris causa pela Universidade do Porto.


Texto de Isabel Ponce Leão

CIDADE DOS HOMENS


Roubo o nome desta série brasileira para, por antonomásia, titular este breve ciclo de homenagens. De facto estamos no Porto e não no Rio de Janeiro e os contornos dos homenageados assaz se diferenciam dos protagonistas fílmicos. Roubo-o porque me faz questionar se são os homens que erigem as cidades ou estas que erigem os homens. Quedo-me suspensa. Olho o Porto, esta cidade granítica resistente a intempéries físicas e morais, berço de gerações de ouro, sempre invicta, e a resposta foge-me. Penso, tenho a certeza que um nexo de causalidade liga os dois elementos deste binómio insolúvel.

A cidade almou-se e deu, ao longo dos tempos, alento a quem a soube honrar. Por isso se sucederam gerações de notáveis que a notabilizaram também. Não vem ao caso nomeá-los pelo risco da omissão. Vem, sim, dizer que, hoje, a Árvore pela mão de Amândio Secca, sentiu necessidade de juntar novos nomes a muitos outros que já nesta cidade e nesta casa foram alvo de homenagens.

Artur Santos Silva é um nome que vive ligado a esta cidade. O seu curriculum é o seu panegírico. Cá ou mais longe o Porto foi-lhe sempre uma prioridade. Nada mais direi. Dirão sim, aqueles que, convocados, se prestaram, de imediato, a não calar verdades. São eles Rui Vilar e Sobrinho Simões outros nomes não menos insignes dos panoramas cultural e científico portugueses.

Ao fim da tarde, em clima de fraternidade, levados pela mão de Amândio Secca, olharemos o rio – forma sublime de constactar o valor da Cidade e dos Homens.

Isabel Ponce de Leão