CICLO DE HOMENAGENS: CIDADE DOS HOMENS - FERNANDO AGUIAR-BRANCO 07/11

FERNANDO AGUIAR-BRANCO

16 NOV 2017 | 18h00

ORADORES
LUÍS DE ARAÚJO
LUÍS BRAGA DA CRUZ


CIDADE DOS HOMENS

"Roubo o nome desta série brasileira para, por antonomásia, titular este breve ciclo de homenagens. De facto estamos no Porto e não no Rio de Janeiro e os contornos dos homenageados assaz se diferenciam dos protagonistas fílmicos. Roubo-o porque me faz questionar se são os homens que erigem as cidades ou estas que erigem os homens. Quedo-me suspensa. Olho o Porto, esta cidade granítica resistente a intempéries físicas e morais, berço de gerações de ouro, sempre invicta, e a resposta foge-me. Penso, tenho a certeza que um nexo de causalidade liga os dois elementos deste binómio insolúvel.

A cidade almou-se e deu, ao longo dos tempos, alento a quem a soube honrar. Por isso se sucederam gerações de notáveis que a notabilizaram também. Não vem ao caso nomeá-los pelo risco da omissão. Vem, sim, dizer que, hoje, a Árvore pela mão de Amândio Secca, sentiu necessidade de juntar novos nomes a muitos outros que já nesta cidade e nesta casa foram alvo de homenagens.

Fernando Aguiar-Branco é um nome que vive ligado a esta cidade. Entre o muito que a Porto lhe deve, e que consta do seu curriculum, destaco o enorme contributo para a arte pública, enquanto presidente da Fundação Engenheiro António Almeida, ao viabilizar esculturas como as da Violoncelista Guilhermina Suggia, do Bispo D. António Ferreira Gomes, de Abel Salazar e do Centenário da República. Acresce ainda o precioso contributo dado às letras e à crítica literária. De tudo isto e muito mais falarão Luís de Araújo e Luís Braga da Cruz outros nomes não menos insignes dos panoramas cultural e científico portugueses.

Ao fim da tarde, em clima de fraternidade, levados pela mão de Amândio Secca, olharemos o rio – forma sublime de constactar o valor da Cidade e dos Homens."

Isabel Ponce Leão